sexta-feira, 28 de novembro de 2008

"Senhor de grande bico"


É um Colhereiro (Platalea leucorodia), uma ave pernalta da família dos Tresquiornitídeos, e é o único representante desta família (que inclui várias espécies de ibis) com presença regular em Portugal. Ave rara e inconfundível devido à forma do bico que lhe dá o nome, o Colhereiro está presente como nidificante na Europa, onde concentra três quartos da população mundial e enfrenta a crescente deterioração e perda do seu habitat. Com cerca de 80 a 90 cm de comprimento, 1,20 m de envergadura, pescoço e patas compridas e uma plumagem maioritariamente branca, o Colhereiro assemelha-se a uma Garça branca de grande dimensão. Apresenta, no entanto, pescoço e patas mais longas, plumagem de um tom branco creme e um bico inconfundível, comprido e terminando em forma de colher.
O bico é preto com a extremidade alaranjada na estação reprodutora; as patas são pretas.
Distribui-se de forma dispersa na Europa, principalmente nas regiões orientais, estando presente no Ocidente, mas ausente no Norte. Quase três quartos da população mundial nidificam na Europa (entre 5.000 e 9.000 casais), localizando-se os principais núcleos reprodutores na Rússia, Turquia, Hungria, Ucrânia, Países Baixos e Espanha. Em Portugal está presente no litoral sul do país como invernante, concentrando-se a maioria destas aves nos Estuários do Tejo e Sado, na Lagoa de Santo André e, principalmente, na Ria Formosa e Castro Marim.
Ocorre principalmente em zonas de clima quente, penetrando localmente em regiões temperadas. Ocupa zonas húmidas de baixa altitude e, de um modo geral, junto à costa, nomeadamente deltas de rios, estuários, lagoas e pauis. Os colhereiros necessitam, para se alimentar, de águas pouco profundas e de fundo lamacento. As colónias estabelecem-se em extensos caniçais, geralmente com arbustos e árvores, ou em ilhas, em locais seguros em relação à perturbação e a predadores terrestres.
O Colhereiro procura o alimento em águas pouco profundas, em geral até aos 30 cm de profundidade. Caminhando, muitas vezes em grupo, fazem passar o bico com movimentos ceifantes, na cadência dos seus passos, através das camadas fluidas de lama. Deste modo capturam animais que vivem na lama ou que ali se escondem, principalmente insectos e as suas larvas, incluindo Coleoptera, Odonata, Trichoptera, Orthoptera, Diptera e Hemiptera. Alimentam-se ainda de pequenos peixes, moluscos, crustáceos, rãs, répteis e algum material vegetal.
Esta espécie encontra-se em acentuado declínio no que respeita a mais de dois terços da sua população, embora se registe um actual aumento na Europa Ocidental. Em Portugal tem estatuto de vulnerável. A nível europeu encontra-se protegido pelas convenções de Cites.
As principais causas de declínio desta espécie são a perda de locais de nidificação e de alimentação, devido às drenagens, deterioração e perturbação das zonas húmidas. Outros factores de ameaça são a exploração de ovos e crias e a poluição dos corpos de água utilizados como áreas de alimentação.

3 comentários:

GREGORIA CORREIA disse...

Amiga, este blog é maravilhoso, gosto muito por isso lhe atribui um premio dardos. um abraço

Nuno de Sousa disse...

Magnifica foto esta Isabel.
Bom registo e cor.
Bjs

Emanuel Azevedo disse...

Linda foto! Gosto muito das cores, estão lindas.